FURNAS - Notícias - Destaques  
 Todos os destaques
    
Release para imprensa: Flavio Decat assume a presidência de Furnas


Novo presidente promete gestão com ênfase em governança e transparência

O engenheiro Flavio Decat tomou posse da presidência de Furnas, nesta terça-feira, dia 14, durante Assembleia Geral Extraordinária da empresa com os acionistas, para um mandato de três anos à frente da estatal. A cerimônia de transferência do cargo foi realizada na sede de Furnas, em Botafogo (RJ).

Durante o discurso de posse, o novo presidente, que iniciou a sua carreira em Furnas há 41 anos, destacou os compromissos que assumirá na sua gestão. “Vamos incrementar ainda mais a prática da governança correta, eficiente e com transparência absoluta. Furnas precisa mostrar à sociedade que tem processos e governanças justas. O maior desafio é a boa comunicação com a população”, disse.

Além de funcionários, participaram do evento o Secretário-Executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann; o ex-Diretor-Presidente de Furnas, Carlos Nadalutti Filho; o Secretário de Desenvolvimento Econômico, Petróleo, Indústria e Comércio do Estado do Rio de Janeiro, Julio Bueno; o presidente da Eletrobras, José Antônio Muniz Lopes; o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Mauricio Tolmasquim; o Diretor-Geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, e o presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro, José Luiz Alquéres.

Novos procedimentos e manutenção da excelência

Decat apontou alguns ajustes que serão adotados nos próximos três anos. “É importante melhorar a coordenação das áreas de engenharia e construção. Além disso, a gestão de Furnas nos empreendimentos em parceria será feita a partir de novas regras de governança societária que serão instituídas para melhorar a fiscalização técnica, legal e financeira da empresa”, afirmou o novo presidente, que indicou como exemplo as regras praticadas no mercado privado e a eficiente gestão da Petrobras.

O controle da manutenção do sistema coordenado por Furnas foi outro ponto de destaque no discurso do executivo. “Será prioridade absoluta a operação e manutenção do nosso sistema elétrico, espinha dorsal do sistema de transmissão brasileiro numa área estratégica do país. Com uma equipe técnica reconhecidamente competente, vamos passar um pente fino em nossas instalações, o que nos ajudará a entender e corrigir eventuais fragilidades do nosso sistema, seja de projeto, de critérios de operação ou de métodos de manutenção”, completou.

Novos talentos x experiência

Flavio Decat lembrou ainda da importância do quadro funcional da empresa. “Vamos manter a eficiência da força de trabalho de Furnas. É fundamental preparar uma nova geração de talentos que conduza a empresa no futuro. No entanto, não podemos liberar nossos quadros mais antigos, sem antes garantir a retenção do conhecimento que é vital à sobrevivência de qualquer empresa”, finalizou.

De volta à casa

Ex-funcionário de Furnas, Flavio Decat fez um agradecimento especial. “Ao escolher um ex-servidor dessa casa para presidi-la, a presidente Dilma Rousseff demonstrou o seu apreço e confiança que tem por cada um dos servidores daqui. Há 20 anos, cheguei ao meu primeiro emprego como engenheiro numa usina de Furnas. Voltar é um grande presente. Agradeço por poder retribuir um pouco do muito que devo a essa casa”, concluiu.

Perfil Flavio Decat

Flavio Decat de Moura é mineiro. Formou-se em engenharia elétrica e eletrônica, em 1969, pela Universidade Federal de Minas Gerais. Iniciou a carreira em Furnas como engenheiro na área de Manutenção, chegando a chefe da usina de Mascarenhas de Morais, em 1974. Em seguida, trabalhou quatro anos em Itaipu. Em 1987, assumiu a área de engenharia da estatal e, quatro anos depois, ocupou a Diretoria de Produção da Eletrosul.

Foi ainda vice-presidente da Enersul (concessionária de distribuição de energia elétrica do Mato Grosso do Sul) e ingressou na iniciativa privada, em 1998, como diretor de Desenvolvimento da Sithe Energies, empresa internacional de produção independente de energia com sede nos Estados Unidos. Em 2001, tornou-se presidente da Eletronuclear e, em 2008, assumiu a Diretoria de Distribuição da Eletrobras, diretoria criada para gerenciar as sete companhias energéticas federalizadas do Brasil, dentre elas a CEA. Antes de assumir a presidência de Furnas, foi vice-presidente de Distribuição da Rede Energia, empresa da iniciativa privada.

Sobre Furnas

Furnas possui um complexo de empreendimentos responsável por quase 10% da geração do país. São 15 usinas hidrelétricas, duas termelétricas, aproximadamente 20 mil quilômetros de linhas de transmissão e 50 subestações. De toda a energia consumida no Brasil, mais de 40% passam pelo Sistema Furnas.
A empresa garante o fornecimento de energia em uma área onde estão situados 51% dos domicílios brasileiros, que responde por 65% do PIB nacional e está presente em quatro das cinco regiões do Brasil (Sul, Sudeste, Norte e Centro-Oeste).
No momento, a empresa segue seu plano de expansão e está construindo três usinas hidrelétricas - Santo Antonio (RO), Simplício (RJ/MG) e Batalha (GO/MG) - 26 linhas de transmissão e 14 subestações, com recursos próprios e em parceria com a iniciativa privada. Recentemente, arrematou a UHE Teles Pires (MT/PA), no leilão da Aneel, por meio do Consórcio Teles Pires Energia Eficiente.
Todos estes empreendimentos geram milhares de postos de trabalho e levarão energia para mais 13 milhões de brasileiros, ampliando para 41 milhões o número de pessoas que recebem energia gerada por usinas com a marca Furnas. A capacidade instalada aumentará em cerca de 50%, de 11 mil MW para 16,5 mil MW.
Além da geração hidro e termelétrica, Furnas iniciou investimentos em fontes alternativas de energia. No Leilão de Reserva realizado em 2009, a empresa, em parceria com outros grupos empresariais, comercializou a energia e obteve a autorização para construir os parques eólicos Miassaba III e Rei dos Ventos I e III. Esses empreendimentos estão localizados no Rio Grande do Norte, Nordeste do país, e terão ao todo 147,6 MW de potência instalada, com 65,8 MW médios de energia assegurada.

Ouça o discurso na integra.




audio_decat.mp3   

   

   

   

   

Publicado em: 02/15/2011